6 passos básicos para uma social enterprise, segundo a Altimeter

A Altimeter, empresa de consultoria e pesquisa, divulgou em 2013 o estudo “The Evolution of Social Business: Six Stages of Social Business Transformation”. Nele, estão descritos 6 estágios para a transformação das empresas em “ambientes sociais de interação”. A pesquisa comenta que há uma grande diferença entre empresas que estão implementando uma estratégia de mídias sociais e os verdadeiros social business. Nesse contexto, o termo “negócio social”, em uma tradução livre, não é entendido como algo assistencialista, mas refere-se à criação de uma instituição que possua valores e estratégias ligados ao relacionamento com os agentes do ambiente em que está inserida, criando valor e impactando esse ambiente. É importante reforçar que uma social enterprise, segundo a Altimeter, deve contemplar tanto os públicos internos quanto os externos.

Veja a seguir quais são esses passos para que a sua empresa vire uma social enterprise.

1. Planejamento
No primeiro estágio, é importante garantir que as bases para o desenvolvimento da estratégia de social business estejam sólidas. O alinhamento da organização, a capacitação de pessoas e a execução eficaz das tarefas devem estar em constante aprimoramento. Empresas que despendem um tempo considerável nessa etapa tendem a prosseguir de maneira mais sustentável nesse processo.

2. Presença
Nessa etapa, o planejamento passa para a ação. A ideia é a de estabelecer a presença nas mídias sociais, o que pode envolver a criação de um canal no Youtube, criar um blog interno, promover uma página no Facebook ou investir em uma rede social corporativa, por exemplo. Essas ações precisam estar baseadas nas estratégias montadas no estágio anterior, além de gerar valor para a empresa.

3. Engajamento
Aqui, a presença em plataformas sociais (seja de comunicação interna ou externa) não é mais um “apêndice”, algo extra, mas um elemento crítico de formação de relacionamento. Você pode se deparar com comentários negativos ou com dificuldades de engajar os colaboradores. Cabe à empresa saber lidar com essas situações e perceber que o investimento nesse tipo de canal de contato com os clientes (ou com os colaboradores) pode influenciar em todo o ciclo de vida do consumidor.

4. Formalização
Com a possibilidade de crescimento rápido dos acessos nas plataformas da empresa, é importante estabelecer responsáveis formais por esse processo. Caso essa formalização não aconteça, a organização pode acabar se comunicando de maneira diferente, atrapalhando o desenvolvimento da imagem da empresa e o engajamento dos clientes.

5. Estratégia
Na quinta etapa, o uso de tecnologias de interação social se dissemina por toda a empresa e seu papel passa a ser muito mais estratégico, impactando a organização em vários aspectos. É aqui que as plataformas sociais conseguem a atenção das lideranças da empresa, que passam a ver grandes oportunidades a partir desses meios.

6. Convergência
O uso de plataformas sociais não transformam, necessariamente, uma empresa em uma social enterprise, mas contribuem para a migração do negócio. Organizações nesse estágio se preocupam com a articulação das ferramentas digitais para aprimorar o seu relacionamento com o mercado e o ambiente em que estão inseridas.

Transformar uma empresa em um social business não é uma tarefa simples. Requer planejamento e muito trabalho. É importante que a busca por essa característica cultural esteja alinhada aos objetivos e à estratégia da empresa. O objetivo é engajar os clientes e colaboradores com os ideais da empresa e melhorar o relacionamento com todos os participantes do ambiente em que a organização está inserida.

Crédito de imagem: frankrizzo805/CC

Radamés Martini

Radamés Martini

Rada Martini é Administrador de Empresas com MBA em Gestão de Projetos; fundador e CEO da SocialBase.