O lugar da comunicação nas organizações

Segundo a pesquisa ‘Lugar da Comunicação Interna nas Organizações’, 44% das empresas ainda não têm um setor de comunicação interna estruturado e 6% não sabe responder ao questionamento. Contudo, os números mesmo negativos podem ter um teor positivo.

De acordo coma Maiara Farias, uma das organizadoras da pesquisa, a não existência de um setor de comunicação não é um fator determinante à ineficiência do relacionamento com o público interno e externo. “Valores de uma empresa, como transparência, confiança e diálogo são maneiras que valorizam suas ações e reforçam sua imagem organizacional positiva”, relata.

Ela comenta que percebe nas organizações uma maior preocupação com os colaboradores, buscando concentrar suas atividades em ações motivacionais e na promoção do diálogo, “sem dúvida a melhor ferramenta para estreitar relacionamentos e ampliar o sentimento de pertencimento”, salienta ela.

Por outro lado, as organizações ainda se mostram imaturas nesse sentido. Um exemplo a isso é a pesquisa “Whatsapp, trabalho e comunicação”. O estudo destacou que apenas 23,5% das organizações têm orientações ao uso do aplicativo e indo de encontro à demanda as empresas buscam moderar ou proibir o seu uso. Segundo relatos dos entrevistados, embora 94% afirmem utilizar o app para fins profissionais, as empresas não orientam ou o utilizam na comunicação interna.    

Para Maiara, o cenário da comunicação corporativa é ainda um imbróglio, o ideal seria ter um ambiente de comunicação transparente e confiável, porém há um longo caminho a ser trilhado. “A comunicação interna gera credibilidade dos funcionários para com a empresa e desenvolve também a valorização dos colaboradores por parte da organização. É uma comunicação de mão dupla que, se realmente ativa e bem estruturada, pode minimizar conflitos e gerar confiança”, aponta ela.

Realidade vs Desejo

Um dos pontos avaliados pela pesquisa “Lugar da Comunicação …” é onde a comunicação interna está hoje e onde os colaboradores acreditam que ela deveria estar.

Segundo os dados, a realidade das empresas avaliadas é: 35% têm sua estrutura de comunicação ligada ao RH, 18% à presidência, 15% não souberam responder, 11% ao marketing e apenas 7% como uma diretoria de comunicação ou setor independente.

Para os entrevistados a comunicação deve estar: 24% como uma diretoria ou setor independente, 24% à presidência, 18% não souberam responder, 13% ao RH e 11% ao marketing.

Para Maiara embora haja esta discrepância entre a realidade e o que os colaboradores veem como ideal a comunicação deve estar em todos os lugares. “Todos devem exercer suas funções de comunicadores conscientes, ou seja, gerando relacionamentos transparentes, confiáveis e com base no diálogo”, defende. Sobre as atribuições dos comunicadores ela finaliza: “o setor de comunicação deve estar em um local estratégico, próximo à presidência e diretorias, considerando um organograma mais verticalizado, mas jamais esquecendo que deve estar ligado a todos os setores sem desvalorizar nenhuma área, principalmente os funcionários de chão de fábrica”.

Veja a pesquisa

França

França

Jornalista, especialista em cinema e mestrando em Literatura, nas horas vagas lembra da tempestade que destruiu Macondo e combate o crime em Gotham City.