Possibilidades da comunicação corporativa digital

Vivemos em uma sociedade cada vez mais complexa e estruturada à individualidade. Segundo Nobert Elias, em seu livro A Sociedade dos Indivíduos, as mudanças sociais independem do planejamento individual, contudo o sistema só funciona porque um grande número de pessoas – individualmente – querem e fazem determinadas coisas.

Essa rede de funções, natural as associações humanas, não surge à soma da vontade, ou seja, da decisão comum das pessoas. E, no entanto, esse contexto funcional é algo que existe fora dos indivíduos. Cada função é exercida de pessoas para pessoas.

Essa abordagem sobre a sociedade pode e deve ser transposta ao ambiente interno das empresas, pois uma organização nada mais é que um recorte da sociedade que a compõem. No entanto, antes de aplicar conceitos é preciso ter ciência deles. Segundo Elias (1996), as mudanças como a sociedade é compreendida e a maneira como as pessoas entendem a si mesmas – sua auto-imagem e a composição social dos indivíduos tornou o problema mais concreto, ou seja, a relação nós-eu não se estabelece de uma vez por todas, mas está sujeita a transformações específicas.

Elias destaca que essa abordagem é relativamente simples em tribos pequenas, diferente da observada nos Estados industrializados, e diferente, na paz, da que se observa nas guerras contemporâneas. Esse conceito abre-se  à  discussão e à  investigação  de algumas questões da relação entre indivíduo e sociedade inacessíveis ao conceber a pessoa, e portanto a nós mesmos, como um eu destituído de um nós.

Nesse sentido, observar a constituição da “sociedade” no ambiente interno da entidade fornece informações valorosas para se traçar planejamentos de comunicação interna e social além de facilitar a compreensão comportamental de seus funcionários. Entendendo o que eles esperam da empresa como instituição econômica e como a vêem como organização inserida em um contexto social (bairro; cidade; país e mundo) – talvez, sendo o segundo ponto, dentro dos valores pregados pela geração Millenium, o mais importante para se reter talentos e a confiabilidade no mercado.

Possibilidades na Comunicação Interna

Segundo Margarida M. Krohling Kunsh,  Doutora em Ciências da Comunicação, os desafios da sociedade contemporânea emprega às organizações interpretações à construção de diagnósticos situacionais com subsídios indispensáveis ao processo de planejamento e da gestão estratégica da comunicação corporativa.

Abordar esse tema é uma necessidade não apenas pelo início de um novo ano, com novos planejamentos e novas ideias a serem estudadas e aplicadas, mas pela constante mutação do mercado e das pessoas. A agilidade com que a informação circula pode ou não definir a estrutura de sua comunicação interna e como isso irá reverberar ao cliente externo de sua empresa.

Tomamos por exemplo as análises econômicas sobre a retração comercial do país em 2015. Dependendo do ramo de mercado a qual sua empresa está inserida essa notícia pode soar extremamente alarmante e afetar a todos os funcionários, reduzindo a produtividade e instalando um estado de alerta e preocupação na empresa.

No entanto, se sua empresa possui um canal de comunicação eficaz e transparente é fácil contornar a propagação de boatos, que muitas vezes, instauram-se nos corredores e acabam passando do “portão pra fora”.

Nesse contexto, para auxiliar na tarefa de planejar a comunicação interna, separamos algumas dicas que podem ser úteis na concepção da estratégia de comunicação:

possibilidades_comunicacao1Defina que estrutura melhor encaixa-se à empresa

ndomarketing ou Comunicação Interna. Embora com focos diferenciados e com ligações à áreas distintas (comunicação e administração), a comunicação interna e o endomarketing possuem um forte ponto em comum. Ambas visam a lucratividade da organização – a primeira de forma mais acentuada a longo prazo e a segunda de forma imediata

 

possibilidades_comunicacao2Seja transparente

Para reter talentos e conquistá-los a ser a empresa é preciso ir muito além do comum. Conheça seus colaboradores, entenda quem eles são, o que fazem fora da empresa e traga um pouco disso para dentro da organização. Como já falamos algumas vezes aqui no blog, as pessoas são a empresa e elas são seu rosto na ponta, ou seja, colaboradores satisfeitos representam clientes bem atendidos e felizes.

 

possibilidades_comunicacao3Simplifique

O surgimento e a disseminação de novas ferramentas de gerenciamento de tarefas e de comunicação facilitam o trabalho e a circulação da informação na empresa. Manter essas ferramentas integradas é um ponto a ser avaliado com urgência, pois permite não só um controle sobre a circulação de informações, a segurança delas e ponto único para consultas, bem como como reduz o tempo na migração de dados uma plataforma a outra para realizar tarefas. Já existe, inclusive, segundo a IBM, uma tendência na adoção ferramentas sociais de comunicação interna, pois garantem mais engajamento .

 

possibilidades_comunicacao4Inove

O processo de inovação sempre encontra barreiras por quebrar a zona de conforto em que se está inserido. Para Carlos Arruda, professor de Competividade e Inovação, os executivos mantêm-se cientes que inovar é estratégico, no entanto na prática não há a execução ou pior ainda nem projetos em de inovação. É preciso avançar do conceito para à prática.

 

possibilidades_comunicacao5Aposte em uma comunicação interna robusta e bem estruturada

Corroborando com a afirmativa do primeiro item, se você tem funcionários motivados e bem informados, você terá clientes bem atendidos e bem informados. Muitas empresas retêm algumas informações como segredo de Estado, no entanto, é preciso reavaliar o que é de segurança estratégica à empresa e o que pode ser chamativo e ajudá-lo a cativar mais clientes. A familiaridade de seus colaboradores com o Storytelling e o objetivo da organização é extremamente necessário ao sucesso.

Planejar estratégicamente a comunicação não só tem um apelo positivo direto ao colaborador que sente-se mais seguro e confiante para desempenhar seu trabalho como repercute na ponta, impactando diretamente na satisfação do cliente.

 

Leia também:

Como os comunicadores veem as ferramentas de comunicação corporativa

França

França

Jornalista, especialista em cinema e mestrando em Literatura, nas horas vagas lembra da tempestade que destruiu Macondo e combate o crime em Gotham City.

  • Fernando Rabello

    Uma questão preliminar deve ser abordada. Trata-se da cultura organizacional. Para Mintzberg et al. (2000, p.195), a força da cultura na gestão empresarial é clara. Os ruídos e as diferenças são proporcionais ao maior ou menor entendimento que estes têm e a forma como eles percebem e transformam o seu ambiente. Portanto, o problema pode residir no nascedouro digo se selecionam pessoas sem transmitir a sua cultura organizacional, seus valores, a chance de aumentar os ruídos e por conseguinte a insatisfação é grande.
    Concluo concordando com o texto mas sugiro incluir a questão preliminar afeta a
    questão da consciência da cultura organizacional em todos os segmentos da
    empresa inclusive de quem seleciona.