A importância de criar cultura e mindset digital para grandes empresas

A transformação digital não é um tipo de solução enlatada, que, por meio de ferramentas avançadas, fará milagres na rotina das empresas. O líder que encará-la como uma abordagem pronta para ser aplicada terá uma série de frustrações em relação aos seus efeitos, já que é preciso desenvolver uma mentalidade estratégica para alcançar as mudanças desejadas.

 

À medida que a TD se populariza no universo corporativo, surge, também, a necessidade de analisar de que forma ela está sendo aderida e de ressaltar a verdadeira natureza dessa transformação nas empresas.

 

Levantamos, então, essa discussão porque queremos falar sobre a importância de as grandes organizações criarem cultura e mindset digital para darem o primeiro passo em direção a uma transição real para esse modelo.

Cultura e mindset digital: como influenciam a TD nos negócios?

Empresas que já possuam espaço no mercado há algumas décadas, como as gigantes da indústria, tendem a pensar no futuro de seus negócios de maneira linear, acreditando que o que aprenderam em todo o seu tempo de existência seja suficiente para mantê-las em um caminho de sucesso.

 

No entanto, a cultura disruptiva já é uma realidade e, em termos de impacto no mercado, os próximos dois anos podem ser mais marcantes que os últimos dez. Isso acontece devido às mudanças velozes promovidas pela tecnologia, acompanhadas de uma alteração significativa no comportamento do consumidor, o que exige uma abertura das empresas para novos modelos de negócio.

 

Quando falamos em cultura e mindset digital, nos referimos, portanto, a uma transformação que combine os elementos mentais e estruturais da TD, aliando o avanço técnico a uma visão moderna sobre a relação mais direta que ocorre, nos dias atuais, entre mercado, ciência, sociedade e inovação.

 

O disruptivo vem desmontando a ideia do legado, exigindo, assim, de organizações de todos os portes um olhar para a era digital e as particularidades que envolvem esses novos tempos.

 

Essa transição substitui a relação de dominância de empresas sobre consumidores por um fluxo recíproco, que pressupõe maior poder de escolha e uma concorrência fluida.

Os elementos-chave da mentalidade digital

Existe um caminho para a TD, e ele começa em uma mudança que envolve dados, inovação e valores. Entenda um pouco mais sobre cada um desses elementos e sua ligação com uma alteração real para a digitalização que vai otimizar todo o seu potencial.

 

Dados

Vamos supor que um líder pretenda inserir a tecnologia de uma vez por todas em seu negócio, englobando todos os setores da empresa.

A primeira coisa que ele precisa saber é que, a partir desse momento, sua nova riqueza serão os dados, porque eles representam a verdadeira garantia de uma geração de valor contínua na era em que vivemos.

Ao desenvolver essa mentalidade, a digitalização de todo tipo de interação que a corporação promova se torna um investimento, uma vez que o resultado dessas comunicações é a própria inteligência de mercado.

Portanto, a vantagem do digital ultrapassa aquelas qualidades ligadas apenas à produtividade, como eficiência e rapidez. Ela ganha um sentido estratégico que passa a ser o motor da organização.

 

Inovação

Outra substituição, em um nível mental e cultural, é o olhar para a inovação. Isso requer, primeiramente, uma visão diferente para os erros e, por isso, envolve um ritmo constante em direção ao progresso.

Implica, também, em uma relação mais aberta em todos os níveis corporativos, incluindo um processo de comunicação transparente, informações compartilhadas, autonomia, responsabilização mútua, dentre muitos outros valores que se aproximam mais da autogestão do que de sistemas tradicionais desenhados em torno de uma hierarquia.  

 

Valores

Esse último aspecto levantado é de extrema relevância, pois representa uma mudança no relacionamento entre empresa e consumidor.

A era digital, sob uma perspectiva mercadológica, é guiada pelas necessidades do cliente, já que o novo consumidor tem uma postura ativa (ele procura a empresa, e não o contrário).

Isto é, em vez de a indústria estar à frente da criação de valor para o cliente, ela precisa acompanhá-lo e apontar o futuro de seus negócios para o que ele demanda.

Diante disso, a adesão à transformação digital se trata, em sua essência, das seguintes atitudes e posturas:

  • olhar integrado para a experiência que a empresa oferece por meio de seus serviços;
  • abordagem centrada na necessidade do consumidor;
  • cultura de aprendizagem;
  • geração de conhecimento;
  • evolução contínua.

 

Na era tecnológica, não existe a ideia de produto acabado, nem se faz negócio a partir de legado.

 

As mudanças desse momento exigem uma visão flexível das lideranças em relação à própria organização, pois é com esse olhar que começa a criação de um mindset digital, onde o foco está em aproximar, cada vez mais, empresa e cliente, com a ajuda (aí, sim!) da tecnologia.

 

Texto por Tiago Magnus, Fundador do Portal TransformacaoDigital.com