O impacto da transformação digital sobre o futuro da Comunicação Interna

Precisamos admitir que o digital invadiu o nosso dia a dia e está cada vez mais presente em nosso trabalho. A tecnologia hoje facilita processos, agiliza a realização de tarefas, cria novas possibilidades na rotina de pessoas e empresas, mas também exige mais de nós – mais abertura as coisas novas, flexibilidade e rapidez para acompanhá-la.

O conceito de ambientes de trabalho digitais está se fortalecendo e diversas áreas dentro das empresas podem aproveitar-se disso de maneira positiva. Os benefícios das ferramentas digitais não são exclusividade das áreas de tecnologia, e podem promover mudanças significativas também para a comunicação interna, por exemplo.

Neste ponto, a CI pode aproveitar-se das transformações digitais em termos de ferramentas e tendências para priorizar a relação da empresa com as pessoas, que são a chave para manter em pé toda a estrutura de um negócio.

A comunicação interna hoje passou de mero setor que administra informações para uma área com potencial de promover uma cultura mais colaborativa, conectar as pessoas tornando o trabalho mais simples e oferecer uma proposta mais horizontal de diálogo, promovendo de quebra a fluidez dos processos e o alinhamento estratégico das organizações.

Porém, para que as empresas consigam aproveitar todo o potencial que os ambientes de trabalho digitais oferecem é necessário construir e consolidar áreas de CI fortes e estratégicas, através da sensibilização de todos os stakeholders desde a alta gestão, passando por lideranças e demais empregados da empresa, em relação a importância da comunicação interna para o negócio.

“Imagine a organização ideal transformada por tecnologias digitais e capacidades que melhoram processos, engajam talentos através da organização e geram novos modelos de negócio de valor agregado?”

Esta foi uma pergunta que um estudo da Deloitte, em conjunto com a MIT Sloan, fez para empresas do mundo todo em 2015 a fim de mensurar a maturidade digital dessas empresas. Apenas 29% se identificaram como maduras. E 80% destas apontaram ter um estratégia de transformação digital que vai além de focar em tecnologias individuais e processos operacionais. E que segundo a Deloitte, é o segredo do sucesso desta organizações.

Elas estão cientes de que é preciso construir culturas que abracem mudança e ter líderes digitais que realizem a transformação. Compreendem também que é necessário implantar de forma equilibrada quatro verticais tecnológicas: social, mobile, analytics e cloud.

Está claro que estamos passando por mudanças, moldando novas formas de trabalho e a forma como a comunicação interna fala com e para os empregados: ela não deve se enxergar apenas como a responsável pelas reuniões de alinhamento, newsletters corporativos e comunicados nas redes sociais corporativas. Deve ir além, e assumir o seu papel de estrategista da informação e colaboração.

Podemos não estar conscientes, mas a transformação digital se bem utilizada, tem potencial para nos levar além dos resultados esperados de maneira surpreendente, pois o mercado e a tecnologia são dinâmicos, evoluem e não devem ser analisados de maneira isolada – tudo deve estar interligado: os recursos, as pessoas, as tecnologias, o mercado, e a estratégia, sendo conectados pela comunicação interna, que tem o trabalho de dar sentido à junção de todas essas partes.

Do ponto de vista tecnológico,  o ambiente de trabalho digital veio para ficar e a Plataforma de Comunicação Interna será o “hub” que integrará todo estes sistemas e funcionará como o catalisador dessa evolução dentro das organizações.

Você está preparado?

endomarketing digital

 

Leia também:

Como os comunicadores veem as ferramentas de comunicação corporativa

Radamés Martini

Radamés Martini

Rada Martini é Administrador de Empresas com MBA em Gestão de Projetos; fundador e CEO da SocialBase.