O que é inovação?

“É solucionar problemas de maneira nova, de uma forma que ainda não tenha sido usada”;

“Tirar caminhos diferentes de soluções para problemas cotidianos”.

Ao questionar colegas de redação a uma resposta imediata ao o que é inovação, ambos  a descreveram por um conceito abstrato e orientado pelo senso comum, focado em buscar soluções diferenciadas a um problema já existente.

Não completamente equivocadas, as resposta são chanceladas pelo manual de Oslo, ao descrever que todo produto lançado no mercado é uma inovação. Porém, salienta em sua introdução que o entendimento do processo de inovação e seu impacto econômico ainda é deficiente.

Leandro Carioni, diretor do centro de Empreendedorismo Inovador da Fundação Certi, destaca a esta deficiência ou equivoco o fato de haver o entendimento que a inovação está relacionada a produtos conceituais, não aplicados ao mercado. Ele aponta como exemplo a indústria da moda: “ao produzir modelos conceituais, os estilistas apresentam tendências futuras, que são equivocadamente tidas como inovadoras, mas no conceito básico não são uma inovação. Elas inspiram linhas de roupas tradicionais, estas sim inovadoras, pois irão ao mercado e causaram algum impacto”, completa. Outro exemplo citado por Carioni é o microondas, que embora tenha ido ao mercado nos anos 40, fora apenas na década de 70 que obteve um impacto econômico, e se tornou uma inovação.

“Nem sempre inserir um produto no mercado o torna de fato uma inovação.” Leandro Carioni

Carioni defende o impacto ser um dos elementos que sustenta a inovação. Segundo ele, para um produto ou serviço ser considerado inovador: deve primeiramente causar impacto econômico ou social; integrando competências, sejam tecnológicas de conhecimento ou de serviço, e ser aplicável ao mercado.

Inovação conceitos

Históricamente o conceito de inovação se desenvolveu a partir dos estudos do economista e filósofo Adam Smith no século XVIII, e a partir da Teoria do Desenvolvimento Econômico (1934) de Joseph Schumpeter, houve a relação entre inovação e economia.

Dentro do conceito há, segundo teóricos, várias abordagens para a inovação, deferenciando-se em inovações administrativas, técnicas, no trabalho organizacional, em produtos e em processos.

Para Fernando Gimenez, Prof. da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e Coordenador de Empreendedorismo e Incubação de Empresas da Agência de Inovação da UFPR, “a inovação pode se dar em produtos ou serviços que são oferecidos aos mercados; pode ser vista em novas formas de realizar tarefas dentro das empresas (processos produtivos e gerenciais); pode ser na busca de novos mercados para produtos existentes; pode se materializar no desenvolvimento e aplicação de tecnologias em produtos e processos; e pode ser, ainda, inovação em modelos de negócios, ou seja, alterações na forma como as empresas se relacionam com o mercado”.

Entende-se por esta abordagem que o conceito de inovação pode ser aplicado a várias esferas de negócio e processos, ou seja, inovar, apesar de estar comumente atrelado a tecnologia, é muito mais que a simples inserção destes processos tecnológicos. Carioni defende que esta discussão deve ser alargada na busca de novas aplicações de inovação que causem maiores impactos sociais e econômicos e não apenas em processos gerenciais voltados às empresas.

Dentro deste contexto, preparamos um game complementar que traz, além das percepções de do especialista; conceitos de inovação abordados por profissionais e como as leis do Bem e a 10.973/04 estão contribuindo no fomento da inovação e na parceria entre universidades e empresas no país.

email

França

França

Jornalista, especialista em cinema e mestrando em Literatura, nas horas vagas lembra da tempestade que destruiu Macondo e combate o crime em Gotham City.